Recursos

Dr. Tremper Longman fala sobre sua participação na CN2

Dr. Tremper Longman III (BA Ohio Wesleyan University, Mr.Div. Westminster Theological Seminary, M.Phil e Ph.D. Yale University) é o erudito de estudos bíblicos no Westmont College.

Ele escreveu mais de 30 livros, incluindo comentários sobre Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Canção de Canções, Jeremias, Lamentações, Daniel e Nahum. Além disso, como estudioso hebraico, ele é um dos principais tradutores da popular Nova Tradução Viva da Bíblia e serviu como consultor em outras traduções populares da Bíblia, incluindo a Mensagem, a Versão do Novo Século, a Holman Standard Bible, e a Bíblia comum.

Ele também editou e contribuiu para uma série de Bíblias de Estudo e Dicionários de Bíblia, mais recentemente o Baker Illustrated Bible Dictionary (2013). Na área da ciência e da fé, ele publicou (com o físico Richard F. Carlson) Ciência, Criação e Bíblia: Reconciliando as Teorias Rival das Origens e contribuiu para a leitura Gênesis 1-2: uma conversa evangélica.

Ele também atua como mentor na iniciativa “Ciência para seminários” da AAAS.

Dr. Tremper participará como palestrante na II Conferência Nacional Cristãos na Ciência.

Ele bateu um papo conosco falando sobre sua expectativa sobre o evento.

 

Você é mundialmente conhecido por ser um grande estudioso dos livros do Antigo Testamento. Com é possível ver a relação entre fé e ciência a partir do estudo destes livros?

 

A teologia cristã reconhece há muito tempo (ver a Confissão Belga, artigo 2, como exemplo) que Deus fala verdadeiramente tanto através das Escrituras quanto da natureza. Assim, os dois, quando interpretados corretamente, nunca entrarão em conflito. As Escrituras e a ciência que estudam a natureza, falam de muitos tópicos semelhantes: a criação do cosmos e da humanidade, a natureza da humanidade e muito mais. Isso levanta questões e às vezes os leitores da Bíblia pensam que a ciência entra em conflito com a Bíblia. Minha opinião pessoal é que, quando as Escrituras são corretamente interpretadas, elas não entram em conflito com a ciência e a Bíblia é a revelação de Deus a respeito de sua criação e o envolvimento dela na ciência. Como disse o Papa João Paulo II: “A ciência pode purificar a religião do erro e da superstição; a religião pode purificar a ciência da idolatria e dos falsos absolutos.”

Quais suas expectativas quanto à sua participação na II Conferência Nacional de Cristãos na Ciência?

 

Quanto à minha própria contribuição, espero apresentar uma perspectiva sobre as questões que envolvem a evolução humana e a descrição bíblica da criação de seres humanos criados à imagem de Deus. Essas questões incluem o tema controverso do Adão histórico. Também estou ansioso para interagir e aprender com teólogos e cientistas do Brasil.

O foco específico de minhas duas palestras é sobre a relação entre a biologia evolutiva e a Bíblia. Os dois não são mutuamente exclusivos, mas ambos contribuem para o nosso entendimento. A ciência apresenta fortes evidências de que os seres humanos emergem de um passado evolutivo e as Escrituras nos mostram o que a ciência nunca poderia mostrar, que é que Deus foi o iniciador e está profundamente envolvido no processo de evolução.

 

Que papel você vê na atuação de organizações como a Associação Brasileira de Cristãos na Ciência?

 

Acho que organizações como a Associação Brasileira de Cristãos na Ciência desempenham um papel crucial no estabelecimento de redes de apoio e interação entre cientistas, que são pessoas de fé, e na criação de um ambiente para diálogo sobre algumas das questões mais controversas e complicadas relacionadas à ciência e ao Cristianismo.

 

 

Comentários