Blog

LIVRO: Os Territórios da Ciência e Religião

BIO

PETER HARRISON – É Membro Laureado Australiano e Diretor da Center for the History of European Discourses. Foi educado na Universidade de Queensland e na Universidade de Yale. Antes de assumir a sua posição atual em 2012, foi durante alguns anos o Professor Andreas Idreos de Ciência e Religião e Diretor do Centro Ian Ramsey da Universidade de Oxford. Publicou extensivamente na área da história intelectual com um foco no pensamento filosófico, científico ereligioso do período moderno adiantado. Ele foi um membro honorário em Oxford, Yale e Princeton, é um membro fundador da Sociedade Internacional de Ciência e Religião, e um membro da Academia Australiana das Humanidades. Em 2011, ele fez as Gifford Lectures na Universidade de Edimburgo. Suas últimas publicações foram, mais recentemente, The Territories of Science and Religion (Chicago, 2015), Wrestling with Nature: From Omens to Science (Chicago, 2011) e The Cambridge Companion to Science and Religion (Cambridge, 2010). Ele publicou mais de 70 artigos ou capítulos de livros.

LIVRO

Em suma, ‘Os Territórios da Ciência e Religião’ é um contraponto bem declarado para a suposição, há tempos firmada, que ciência e cristianismo estão inerentemente em desacordo. Estou de acordo com a conclusão de Harrison. Sua visão geral dos conceitos novos de religião e ciência, que abrangeram a redefinição de religio scientia são marcadores evidentes. Outro destaque é como Harrison ilustra a lenta transformação e tardia dispensa da pré-iluminação da teologia natural e filosofia natural para as novas categorias de ciência e religião.

De importante, há a luz que Harrison aponta na instabilidade do ‘programa moral moderno’ (p.179), que emprega o conflito percebido entre ciência e religião em ordem para sustentar superioridade. Para realizar esse liberalismo moderno, novo ateísmo e até mesmo criação, os cientistas focam em vender ciência, comerciando os benefícios óbvios da ciência para servir uma agenda particular. Melhor que tomar uma luta antiga contra a religião, eles criaram um conflito onde historicamente não havia nenhum.

Para o novo ateísmo e liberalismo moderno, isso é alcançado através da confusão perpetuada acerca de categorias, conceitos e definição. Por meio de uma narrativa fabricada e uma distorção de eventos históricos, a suposta superioridade construída do liberalismo moderno é reforçada. O objetivo de controlar o que é rotulado religião e o que é rotulado ciência, foi um sucesso. Controlando o papel da ciência para demonizar, e enfraquecendo a legitimidade e papel histórico dateologia e filosofia.

O valor do ‘Os Territórios da Ciência e Religião’ é que Harrison refuta isso. Enquanto mantém nítido os limites entre ciência natural e a ciência da teologia e filosofia, Harrison abre um questionamento aprofundado no mito conflituoso. Encorajando uma revisão das suposições populares sobre uma percepção divergente, uma vez que historicamente, seu relacionamento complementar era um fato, dominado por civilidade e diálogo, e não sátira e hostilidade.

ADQUIRA AQUI!

Comentários